EVANGELISM AND OUTREACH COURSE

CURSO DE EVANGELISMO E DIVULGAÇÃO

Evangelism and Outreach April 2016 Leve

Saturday, April 2, 2016, we will have the presence of Pr.Loh Weng Kong (born in Singapore) who is pastoring the Japan Baptist Fellowship Church in Tokyo. On this occasion he will teach us a creative evangelism course for urban and technological environment that we live in. On Sunday, April 3, he will bring us a message during the celebration of the Lord’s Supper Service. Participation is free. We await your presence, may the Lord bless you all!

Sábado, dia 02 de abril de 2016, teremos a presença do Pr.Loh Weng Kong (originário de Cingapura) que está pastoreando a Igreja Batista Japan Fellowship em Tokyo. Nesta ocasião ele ministrará um curso de evangelismo criativo para o contexto urbano e tecnológico em que vivemos. No domingo, dia 03 de abril, ele nos trará uma mensagem durante o culto de celebração da Santa Ceia do Senhor.

CHRISTMAS CELEBRATION

CHRISTMAS CELEBRATION

Natal 2015 Cartaz EN Leve

No próximo domingo, 20 de dezembro de 2015, realizaremos a celebração do Natal. Excelente oportunidade cultural (especialmente no Japão) para falarmos sobre o nascimento e obra do nosso amado Salvador, o Senhor Jesus. Traga sua família e amigos para este momento de louvor, meditação bíblica e confraternização. Que o Senhor vos abençoe!

Next Sunday, December 20, 2015, we will hold the celebration of Christmas. Great cultural opportunity (especially in Japan) to talk about the birth and work of our beloved Savior, the Lord Jesus. Bring your family and friends for this time of praise, biblical meditation and fellowship. May the Lord bless you!

Dia do Pastor

O CHAMADO PASTORAL

pastor-590x392

Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória. I Pedro 5.2-4

INTRODUÇÃO

No dia 10 de junho comemora-se o Dia do Pastor. Figura polêmica dos nossos dias. Pessoa amada e respeitada por muitos, mas perseguida, satirizada e vilipendiada (desrespeitada) por não poucos. Esta é uma boa ocasião para conhecermos um pouco mais sobre este ministério que é bíblico e tão relevante para a vida da Igreja de Jesus.

ELUCIDAÇÃO

O texto fala acerca de dois grupos de pessoas; os pastores e as ovelhas. Sobre os pastores e ovelhas está aquele que assim estabeleceu tal relação e posições; o Senhor Jesus. Primeiro entendimento sobre a temática é a Biblicidade do ministério pastoral.

  • Este ministério foi ordenado por Jesus (Ef 4.11-12);
  • Tem por objetivo cuidar do rebanho de Jesus (Jo 21.17);
  • Deve ser exercido com responsabilidade, pois trata de pessoas que Jesus comprou com Seu próprio sangue (At 20.28);
  • Quem almeja o pastorado excelente obra deseja (I Tm 3.1);
  • Agrega a si uma pesada responsabilidade com cobrança (Hb 13.17);
  • Mas há uma recompensa eterna muito acima da média para aqueles que procederem com fidelidade na causa do Evangelho (Dn 12.3).

O pastor é aquele que cuida da ovelha, protege-a, alimenta-a, oferece-lhes condições para sua multiplicação e extrai delas o melhor que podem dar para o benefício da Igreja como um todo. A ovelha conhece a voz do seu pastor (Jo 10.2-4 e 11 / Jo 21.15).

As ovelhas são de Jesus, mas Ele mesmo transfere aos pastores do rebanho a responsabilidade de conduzirem as mesmas para Si. De igual modo as ovelhas devem ser conduzidas por seus pastores como quem obedece àquele que o próprio mestre designou em seu lugar.

No texto de João Jesus disse; as ovelhas escutam nitidamente discernindo sua voz da dos outros. Há uma linha invisível que os liga profundamente. Esta mesma linha liga o pastor às ovelhas que lhe foram confiadas. Este elo é a confirmação do chamado pastoral e ao mesmo a provisão do Senhor para que cada pessoa receba um cuidado especial.

110415_f_038

Analisemos quatro aspectos do chamado pastoral

1º aspecto do chamado pastoral

A)-Deve haver um chamado (I Pe 5.2 / sob seus cuidados)

Jesus delegou pastores para cuidar de Seu rebanho. O texto nos diz que as ovelhas de Jesus passaram a estar sob cuidado do pastor. Esta responsabilidade é atribuída e confirmada pelo próprio Senhor. O Senhor escolhe pessoas específicas para lhes atribuir esta responsabilidade. Este é o Chamado Para o Ministério.

  • Sem chamado a pessoa não suporta as pressões ministeriais.
  • Sem a certeza do chamado não há convicção e a qualquer instante podem desistir de tudo (não tenho certeza, acho que eu não consigo).
  • Sem a certeza do chamado não há poder para continuar com perseverança no trabalho do Reino de Deus.
  • Sem a certeza do chamado não há coragem e esforço no preparo (bíblico, em santidade e oração) para enfrentar a oposição de satanás.
  • Sem a certeza do chamado não há forças para se recuperar caso haja um deslize (preciso me recuperar, pois sei o que Deus quer de mim).

A atitude de uma pessoa chamada para o ministério pastoral é como a de Davi; veio a ursa ele matou, veio o leão ele o enfrentou, veio Golias ele partiu para cima. Objetivo de vida, coragem, convicção, força em Deus!

Este chamado se processou com Pedro; durante três anos ele andou com Jesus, mas um dia, após a ressurreição, Jesus foi claro; Pedro, se você me ama, cuida das minhas ovelhas para mim! Com convicção, sua resposta verbal foi positiva; Tu sabes de todas as coisas e sabes que eu te amo!

Contudo, sua atitude falou mais alto; ele morreu cuidando do rebanho do Senhor, pregando o Evangelho do Reino e lutando pela causa do mestre! Isto só é possível se houver convicção do chamado.

2º aspecto do chamado pastoral

O perímetro indica uma comunidade (igreja local / Sl 92.12-15)

Existe um perímetro de ação (I Pe 5.2 / sob seus cuidados). As ovelhas são chamadas para estarem dentro de um rebanho; estabelecidas em uma igreja e não vagueando por várias, pelos montes. A condição para ser abençoado e próspero (DENTRO DA VONTADE DE DEUS) é estar plantado na Casa do Senhor. Estar plantado em uma igreja trás inúmeros benefícios:

  • Florescer como a palmeira; forte, resistente, resiliente no soprar do vento.
  • Ser como o cedro; uma madeira nobre, macia, maleável, fácil de ser modelada e quando assume uma forma preserva o que lhe foi esculpido. Muito utilizada no acabamento do Templo, valiosa, bela a vista e muito cheirosa.
  • Florescer nos átrios; cresce no meio do povo de Deus, entre àqueles que vêm oferecer sacrifícios aceitáveis a Deus.
  • Mesmo em idade avançada não deixarão de ser produtivos e transparecer lucidez e vigor espiritual no anunciar as boas novas e ensinar a Sua justiça com sabedoria e maturidade.

O perímetro indica um pastoreio (sob uma autoridade pastoral). Debaixo da autoridade de um pastoreio. Exemplo: o irmão viúvo que quis casar-se no Paraguai com outra irmã viúva para a mesma não perder o benefício da aposentadoria do falecido marido. O seu pastor não aprovou, mas um pastor de outra igreja consentiu e até prontificou-se a realizar a cerimônia religiosa. O texto de II Tm 4.3-4 diz: Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos. Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos.

Estamos vivendo um período na história da Igreja que mais do que nunca as pessoas têm buscado alternativas à sã doutrina que se adaptam aos próprios desejos, trazendo desordem para a comunidade do povo de Deus.

Por isso Paulo ensina a Tito; A razão de tê-lo deixado em Creta foi para que você pusesse em ordem o que ainda faltava e constituísse presbíteros em cada cidade, como eu o instruí (Tt 1.5).

A necessidade de um pastoreio (uma só direção) é a manutenção da ordem. Um dos maiores problemas enfrentados na educação dos filhos de pais divorciados é exatamente a contradição de informações, conceitos e meios disciplinares aplicados sem concordância. Os filhos manipulam os pais, buscando obedecer somente àquele que lhe oferece as melhores condições. Instaura-se uma confusão mental nestes jovens que perdura por toda a vida. Somente Jesus pode libertá-los.

De igual modo, quando uma ovelha não se conforma com um pastoreio (uma direção), instaura-se a desordem em sua vida pessoal. E esta é a preocupação do pastor: a saúde das ovelhas de Cristo.

shepherd-carrying-sheep1

3º aspecto do chamado pastoral

Deve haver desejo (I Pe 5.2-3 / boa vontade)

O desejo, a ludicidade (sensação de diversão no exercício de alguma atividade) e o prazer dispensam recompensas. Quando alguém nos pede um favor em uma área que gostamos de trabalhar, recusamos recompensas e ainda dizemos: Foi um prazer!

Quem deseja e tem prazer no ministério pastoral dificilmente trabalhará por obrigação, consequentemente não será ganancioso e não agirá com mão de ferro (dominador), mas com amor! A alegria de servir a Deus já é sua recompensa. Esta é uma das primeiras lições do discípulo e do candidato ao ministério; servir com alegria sem almejar recompensas terrenas.

Primeiro vem a fé com contentamento, o espírito voluntário, a entrega pessoal e conseqüentemente o Senhor supre as necessidades. Como disse Paulo a Timóteo: A fé com contentamento é grande fonte de lucro, pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos” (I Tm 6.6-8).

Desejo e boa vontade estão intimamente ligados à satisfação. Este sentimento é fundamental para qualquer área de nossa vida.

Satisfação é o estado de não precisar de mais nada para se sentir completo. Uma pessoa satisfeita está automaticamente liberta da ganância, e esta é a chave para um ministério equilibrado e bem sucedido diante de Deus!

4º aspecto do chamado pastoral

Deve haver exemplo (I Pe 5.2-3)

A palavra exemplo no texto original significa cunha de modelagem, ou, forma. Isto significa um modelo a ser utilizado para reprodução. É como uma forma de bolo; saindo todos com o mesmo formato.

  • Exemplo de boas obras (moralidade): ações corretas em conformidade com a Santa Lei de nosso Senhor Jesus Cristo.
  • Exemplo de consagração (entrega, esforço, santidade).
  • Exemplo de fé (conquistando na oração e não na força humana): não conquistando tudo o que quer, mas colocando todas as necessidades diante do Senhor em oração e lentamente obtendo vitórias duradouras.
  • Exemplo de estabilidade, uma âncora (um referencial e segurança de cuidado e abrigo): os ventos sopram, as estações mudam, mas permanecendo firmes fazendo a obra do Senhor.
Shepherd-570x379

CONCLUSÃO

Paulo ensinou sobre o reconhecimento do esforço no exercício do ministério pastoral (II Co 11.23-30); E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra(I Ts 5.12-13). O autor da carta aos Hebreus também diz: Quando se manifestar o Supremo Pastor, vocês receberão a imperecível coroa da glória (I Pe 5.4).

Quanto ao reconhecimento pelo esforço com fidelidade Pedro complementa: Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus…(Hb 13.7).

Quanto ao esforço em benefício do povo de Deus, Paulo também nos dá seu testemunho: “…em trabalhos…; em açoites…; em prisões…; em perigo de morte, muitas vezes. Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos; Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez. Além das coisas exteriores, me oprime cada dia o cuidado de todas as igrejas. Quem enfraquece, que eu também não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu me não abrase? Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza(II Co 11.23-30).

No atual contexto de grande turbulência espiritual, o mundo precisa de referenciais de fidelidade e estabilidade.

De igual modo, os pastores precisam da proteção do alto e grandes livramentos para não sucumbirem diante dos cruéis ataques do inimigo, pois estão na linha de frente.

Que a igreja possa se lembrar de seus obreiros e suas famílias todos os dias, ajudando-os em oração!

Pr.Luís Kendji G.Yasumura

Breakfast With God

BREAKFAST WITH GOD

Breakfast With God

We would like to invite our siblings, family and friends to savor a delicious breakfast in the Presence of God this coming Sunday, June 21, 2015, from 10am.

We await your presence!

May the Lord Jesus bless you!

Gostariamos de convidar nossos irmãos, familiares e amigos para saborearmos um delicioso café da manhã na Presença de Deus neste próximo domingo, dia 21 de junho de 2015, a partir das 10hs.

Aguardamos vossa presença!

Que o Senhor Jesus vos abençoe!

The Persecuted Church

SUNDAY OF PERSECUTED CHURCH

DOMINGO DA IGREJA PERSEGUIDA

DIP 2015 EN FrameOpen Doors Mission Report

Christian Persecution, The Persecuted Church | Open Doors USA

What is Christian Persecution?

Christian persecution is any hostility experienced from the world as a result of one’s identification as a Christian.  From verbal harassment to hostile feelings, attitudes and actions, Christians in areas with severe religious restrictions pay a heavy price for their faith.   Beatings, physical torture, confinement, isolation, rape, severe punishment, imprisonment, slavery, discrimination in education and employment, and even death are just a few examples of the persecution they experience on a daily basis.

According to The Pew Research Center, over 75% of the world’s population lives in areas with severe religious restrictions (and many of these people are Christians).  Also, according to the United States Department of State, Christians in more than 60 countries face persecution from their governments or surrounding neighbors simply because of their belief in Jesus Christ.

 Where Does Christian Persecution Occur? 

The World Watch List ranks the top 50 countries where Christians face the greatest persecution. See what life is like for persecuted Christians in each of these countries.

 Why Persecution Occurs?

AUTHORITARIAN GOVERNMENTS SEEK TO CONTROL ALL RELIGIOUS THOUGHT AND EXPRESSION

There are numerous reasons why Christians are persecuted.  In some countries, severe abuse of Christians takes place under authoritarian governments.  In the case of North Korea and other communist countries, authoritarian governments seek to control all religious thought and expression as part of a comprehensive plan to control all aspects of political and civic life. These governments regard some religious groups as enemies of the state because they hold religious beliefs that may challenge loyalty to the rulers.

HOSTILITY TOWARDS NONTRADITIONAL AND MINORITY RELIGIOUS GROUPS

Another reason why Christians are persecuted is hostility towards nontraditional and minority religious groups. For example, in Niger, more than 98 percent of the population is Islamic, and hostility comes more from society than from the government. Historically, Islam in West Africa has been moderate, but in the last 20 years, dozens of Islamic associations have emerged, like the Izala movement, which aims to restrict the freedom of ‘deviant Muslims’ and minority religious groups like Christians.

Africa

 THE LACK OF BASIC HUMAN RIGHTS. The lack of basic human rights is another significant part of persecution in some countries. For instance, in Eritrea, there are violations of the freedom of expression, assembly, and religious belief and movement, in addition to extrajudicial killings, enforced disappearances, extended detention, torture, and indefinite national service, which cause many Eritreans to flee the country.

Freedom of religion, like all freedoms of thought and expression, is inherent. Our beliefs help define who we are and serve as a foundation for what we contribute to our societies. However, today, many people live under governments that abuse or restrict freedom of religion.  Christians in such areas suffer deeply, and are denied basic freedoms that humans should be entitled to.

In 1948, the United Nations General Assembly adopted the Universal Declaration of Human Rights. This declaration came as a result of the treatment of the Jews in Nazi Germany. The document states that every person is entitled to basic human rights. This reaffirmed the dignity and worth of all human beings no matter what a person’s race, color, sex, language, religion, political or other opinion, national or social origin, property, birth, or other status.  In 1966, the United Nations developed the International Covenant of Civil and Political Rights (ICCPR) in addition to the Universal Declaration of Human Rights.

Article 18 of the ICCPR focuses on four elements of religious freedom

Everyone shall have the right to freedom of thought, conscience and religion. This right shall include freedom to have or to adopt a religion or belief of his choice, and freedom, either individually or in community with others, and in public or private, to manifest his religion or belief in worship, observance, practice and teaching.

No one shall be subject to coercion which would impair his freedom to have or to adopt a religion or belief of his choice.

Freedom to manifest one’s religion or beliefs may be subject only to such limitations as are prescribed by law and are necessary to protect public safety, order, health, or morals or the fundamental rights and freedoms of others.

The States Parties to the present Covenant undertake to have respect for the liberty of parents and, when applicable, legal guardians to ensure the religious and moral education of their children in conformity with their own convictions.

China 01

Why Do We Serve Persecuted Christians?

Matthew 5.10-12 Blessed are those who are persecuted because of righteousness, for theirs is the kingdom of heaven. Blessed are you when people insult you, persecute you and falsely say all kinds of evil against you because of me. Rejoice and be glad, because great is your reward in heaven, for in the same way they persecuted the prophets who were before you.For almost 60 years, Open Doors has worked in the world’s most oppressive countries, empowering Christians who are persecuted for their beliefs. These believers stand strong, despite the many obstacles that they face. What are some of the things that we can we learn from their faith?There is something about hardship that allows us to know God deeply. When times get really tough, we discover more about who God is and how He works. Christians who have endured persecution for their faith, know this well.There are no easy answers for why God allows his followers to face suffering. However, the lives of persecuted Christians reveal that even when things look out of control believers can rest secure, knowing that God is still in control. He is able to give courage, peace and even joy to stand strong through the storm. It is through these storms that believers discover God’s love in new and powerful ways.Standing Strong Through The Storm is the curriculum that Open Doors uses to help Christians stand strong in the face of persecution.

persecuted1

Theology Of Christian Persecution

As Christians, we are called to take a stand for our persecuted brothers and sisters in Christ.  Hebrews 13:3 says, “Continue to remember those in prison as if you were together with them in prison, and those who are mistreated as if you yourselves were suffering.” Learn more about how you can help persecuted Christians.

The Bible calls us to be a voice for the voiceless. Psalm 82:3 says, “Stand up for those who are weak and for those whose fathers have died. See to it that those who are poor and those who are beaten down are treated fairly.”

  1. Sometimes you need to build yourself a cell Be still, and know that I am God. Psalms 46.10. One Chinese church leader, who spent 23 years in prison, once said this to Christians who did not face persecution: “I was pushed into a cell, but you have to push yourself into one. You have no time to know God. You need to build yourself a cell, so you can do for yourself what persecution did for me—simplify your life and know God” . It is vital that we spend time with God, to grow in Him, so we are prepared to stand strong in the face of persecution.
  2. God keeps secrets “For my thoughts are not your thoughts, neither are your ways my ways,” declares the LORD. As the heavens are higher than the earth, so are my ways higher than your ways and my thoughts than your thoughts. Isaiah 55.8-9. There have been countless stories of persecuted Christians who have died without seeing the fruits of their labor. However, God know all that has been and all that is to come. Our labor is not in vain, it is in His hands.
  3. Weakness is a direct path to power That is why, for Christ’s sake, I delight in weaknesses, in insults, in hardships, in persecutions, in difficulties. For when I am weak, then I am strong. II Corinthians 12.10 . An Egyptian Christian reflected on the way he was treated when he converted to Christ: “In great suffering you discover a different Jesus than you do in normal life… Pain and suffering bring up to the surface all the weak points of your personality. In my weakest state, I had an incredible realization that Jesus loved me even right then” . True empowerment does not come from human means, but through Christ alone. It often takes being at our weakest point to realize this.
  4. Overcoming is greater than deliverance Do not be overcome by evil, but overcome evil with good. Romans 12.21. Persecuted Christians, no matter what country they are from, do not ask us to pray that persecution would end, but rather ask us to pray that they stand strong through the persecution. They do not wish to be delivered from the persecution, but rather ask us to pray that they would be able to overcome the trials that they are facing in a way that is honoring to God.
  5. Extreme hurt requires extreme forgiveness And Jesus said, “Father, forgive them, for they know not what they do.” And they cast lots to divide his garments. Luke 23.34. A Christian widow from Iran said: “I only had hatred in my heart for my enemies who had murdered my husband. But one day a miracle happened. God taught me how I could love my enemies… I had been praying for this, even though on the deepest level I didn’t want it to happen. Gradually, through a process of ups and downs, God answered this prayer”. The only way we can get through extreme hurt is by forgiving people as Christ did.
  6. Prayer is the ultimate fellowship Remember those in prison as if you were their fellow prisoners, and those who are mistreated as if you yourselves were suffering. Hebrews 13.3. Many persecuted Christians often feel isolated and alone, since they are unable to fellowship with other believers. However, prayers from Christians half a world away have brought the same amount of encouragement that fellowship would have for these persecuted Christians. Prayer is vital; not only as a direct line to God, but as a way to encourage our persecuted brothers and sisters around the world. I Corinthians 12.26 tells us that we are one body; when one member suffers, we all suffer. When one member is lifted up, we all rejoice. Persecuted Christians and Christians in the free world are not two separate entities, but rather are one body. The persecuted church needs the free church to support them and most importantly to lift them up in prayer. The church in the free world learns lessons from the persecuted who have stood strong in the face of persecution. Christ is the head of the body and uses the church (both free and persecuted) in unique and powerful ways.

Source: Open Doors WebPage

https://www.opendoorsusa.org/christian-persecution/