Cristãos Sem Igreja

POSSO SER UM CRISTÃO SEM IGREJA

Maturidade ou Sofisma?

caminho banner_edited-1INTRODUÇÃO

Um pensamento muito comum em nossos dias é o achar que podemos ser cristãos sem precisarmos freqüentar uma igreja ou sem termos um compromisso regular. A justificativa se aperfeiçoa dizendo que são muito mais corretos e possuem um melhor testemunho que muitos freqüentadores de igreja. Contudo, apesar da aparente razão, será que este pensamento é biblicamente fundamentado? É sobre este assunto que eu gostaria de conversar com vocês neste dia.

ELUCIDAÇÃO

Neste contexto, a primeira vertente a se considerar é a necessidade e relevância da Igreja. De acordo com as Escrituras ela é parte essencial da vida cristã.

  • Ela é o Corpo de Cristo; a Noiva de Cristo;
  • Reunião dos que são chamados por Jesus para herdar a Salvação;
  • Representante do Reino dos Céus na Terra;
  • Razão pela qual o mundo não é consumido mal;
  • Voz profética em meio a uma geração cega pelo pecado;
  • Porta do caminho estreito que conduz à Salvação;
  • Lugar onde somos batizados e alimentados da Palavra de Deus;
  • Aonde somos auxiliados e socorridos;
  • Lugar onde se manifestam os dons do Espírito Santo;
  • Lugar onde temos comunhão com outros salvos;
  • Onde nos estimulamos mutuamente no caminho da Salvação;
  • Lugar onde nos alegramos e choramos;
  • Onde praticamos o amor de Cristo;
  • Onde Sua Graça é manifesta em nós;
  • Tantos outros valores e méritos.

Hoje em dia existe uma forte tendência à banalização da Igreja. Muitos a desprezam, zombam, escarnecem, julgam, consideram-na dispensável. Pensam poder dividí-la em pequenos fragmentos, manipulá-la como fonte poder, utilizá-la como fonte de recursos, etc. Porém se esquecem de que esta é a menina dos olhos do Senhor. Jesus tem forte ciúme desta. Ele é um Noivo Zeloso. Ele nunca deixou nem deixará impune os que prejudicam, desmerecem ou desprezam-na. Jesus nunca deixou de lutar por sua Igreja. Esta é Sua Noiva e Ele prometeu estar com Ela todos os dias até a consumação dos séculos, guardada e guiada pelo Espírito Santo.

PROPOSIÇÃO

Deus planejou a Igreja para preparar individualmente as pessoas que herdarão a salvação

Vamos fazer uma breve análise do plano de Deus para compreendermos melhor a importância da Igreja

TÓPICOS

A)-Jesus planejou a Igreja (Mt 16.18-19) A Igreja era um plano não revelado no período do Antigo Testamento. Contudo, profecias apontavam para uma nova organização do povo de Deus a partir da vinda do Messias.

E todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo, pois, conforme prometeu o Senhor, no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento para os sobreviventes, para aqueles a quem o Senhor chamar. E, depois disso, derramarei do meu Espírito sobre todos os povos. Os seus filhos e as suas filhas profetizarão, os velhos terão sonhos, os jovens terão visões. Até sobre os servos e as servas derramarei do meu Espírito naqueles dias.  Joel 2.28-29 e 32

Paulo declarou que Jesus construiu sua Igreja sobre o fundamento dos apóstolos e profetas. Não especificamente sobre Pedro, mas sim sobre o trabalho de todos, liderados por Pedro.

“edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo Jesus Cristo como pedra angular” Efésios 2.20

Esta igreja é a reunião de todos os santos, de todas as eras e forma um corpo invisível. Contudo, este corpo invisível aponta para um corpo visível que são as igrejas locais; lugar onde os santos se reúnem para colocarem em prática a sua fé em Cristo. As igrejas locais, que são a manifestação visível da Igreja invisível, são muito amadas por Jesus. Ele as conhece individualmente, em seus detalhes e peculiaridades.

Ao anjo da igreja em Laodicéia escreva: Conheço as suas obras! Apocalipse 3.14-15

Seu amor é tão profundo que Ele morreu para sua salvação. A Igreja é o Seu próprio corpo. Jesus disse;

“Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim”. “Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória de mim” I Coríntios 11.24-25

Desta forma compreendemos que é impossível ter um relacionamento com Deus sem estarmos em harmonia com o Corpo de Cristo.

uniaoB)-Jesus planejou a unidade da Igreja

A unidade como parte essencial da estrutura (I Co 12.12 e 26-27)

A unidade da Igreja é estrutural. Deus a criou para ser unida. Não há como pensar em igreja sem unidade. Seria como tentar separar a umidade da água ou o calor das chamas. Como sabemos isto? Porque a Igreja é chamada de Corpo de Cristo. Os membros do corpo humano não foram projetados para terem vida autônoma. Não vemos pernas andando sozinhas. Isso seria uma aberração. Da mesma forma, os ramos de uma árvore não foram projetados para sobreviverem sem estarem ligados à raiz.

Desta forma, todos aqueles estão em Cristo se harmonizam na unidade do Corpo de Cristo, pois, separado do corpo não há vida. A isto denominamos unidade orgânica; uma composição unificada com vida dinâmica. O apóstolo João disse; como posso dizer que amo a Deus que não vejo se não amo a meu irmão a quem vejo? Nós precisamos vitalmente uns dos outros.

Se a minha ação individual ou minha qualidade de vida influencia de alguma forma a comunidade cristã local é porque fazemos parte deste corpo. Se não somos afetados ou não influenciamos em nada é porque estamos fora do corpo.

Por outro lado, se a atmosfera espiritual de nossa comunidade é cheia da presença de Deus, ao fazermos parte deste corpo nós somos igualmente influenciados e abençoados. A atmosfera de vitória, paz e prosperidade entra no seu lar e na sua vida espiritual. E nesta dinâmica reversa, nesta sinergia, quando você é abençoado, todo o corpo é abençoado também!

A Importância de cada membro (I Co 12.21-25)

Nesta unidade o Senhor planejou a colocação de cada membro de tal maneira que todos sentissem a sua importância, o seu valor. Aqueles que possuem uma função estrutural não foram providos de uma imagem impactante, pois seu valor está em sua necessidade imprescindível. Não precisam ser vistos para se sentirem relevantes. Aqueles que possuem uma função complementar foram providos de beleza exterior, aparência, impacto, para que se sintam valorizados (comparação da importância funcional e cuidado entre cabelo e do coração). Desta forma todos encontram o seu espaço com satisfação dentro do Corpo de Cristo.

A graça da unidade (Ef 4.1-3)

Unidade não é Uniformidade: unidade vem de dentro, é uma graça espiritual; enquanto uniformidade é o resultado de uma pressão de fora. Unidade não é a adoção de um padrão ou um perfil, mas sim uma qualidade de relacionamento.

A unidade não é criada, mas preservada (vs.3). Ela já existe, por obra de Deus e não do homem. Portanto, a unidade da igreja não é construída pelo homem, mas pelo Deus Triuno.

A unidade não é produzida em atividades sociais; um churrasco, uma festa nunca produzirá unidade. Esta é uma propriedade original da Igreja. Somente podemos mantê-la, cultivá-la.

Ilustração: a planta da orquídea. Forte, mas ao mesmo tempo frágil. Frágil, pois sua flor não dura muito tempo. Forte, pois se cuidada, surgirão novas flores no período certo da floração. Ao cair da flor pensamos que a vida se foi, mas se perseveramos no cuidado sempre haverão novos períodos de floração. Há tempo de beleza, há tempo de poda e estes ciclos são necessários para que a vida continue a existir (Jo 15.1-6). amizadePreservando a unidade do Espírito no vínculo da paz: a unidade precisa ser preservada. Precisamos lutar para preservar a unidade da família. Mas como? Humildade (húmus/terra): A palavra humildade foi cunhada pela fé cristã. A humildade era desprezada pelos romanos. Era sinal de fraqueza.

  • Humildade é o oposto do orgulho. O orgulho fundamenta-se na ética da negação; o erro nunca é meu, é sempre dos outros; eu não machuco somente sou machucado, eu sou o exemplo os outros devem se amoldar a mim. Os outros são bons, mas eu sou um pouco melhor.
  • Humildade é reconhecer que somos pó. Que nada temos de nós mesmos. Não há razão para a vã glória.
  • Humildade significa colocar Cristo em primeiro lugar, os outros em segundo lugar e o eu em último lugar.
  • Cristo apresentou-se como alguém manso e humilde de coração. A primeira bem-aventurança cristã é ser humilde de espírito.
  • Quem sabe que veio do pó, é pó e voltará ao pó não pode orgulhar-se.
  • Não podemos pensar de nós mesmos além do que convém (Rm 12:3). Jesus é o exemplo máximo de humildade: ele esvaziou-se a si mesmo.

Mansidão: uma pessoa mansa é aquela que abre mão dos seus direitos. Ela prefere sofrer o dano (I Co 6.7). Assim como Abraão, ele prefere deixar Ló fazer a melhor escolha (Gn 13.7-18).

  • A mansidão é poder sob controle. É a virtude de não perder o controle. Moisés era manso e, no entanto ele exerceu um tremendo poder. Jesus era manso e virou a mesa dos cambistas. Você tem poder, mas esse poder deve estar sob controle.
  • Este era o termo usado para um animal adestrado: controlar seu temperamento, impulsos, língua, desejos. É a pessoa que possui completo domínio de si mesmo. A verdadeira mansidão se transparece quando somos investidos de poder (dinheiro, autoridade, escalada social). Poder para nos vingarmos, mas escolher fazer o bem.

Longanimidade: palavra aqui é paciência com pessoas. É um ânimo espichado ao máximo. É a pessoa que suporta o insulto sem amargura nem lamento. Esquece-se do mal sofrido. O amor tudo suporta! O amor que suporta: a palavra suportar aqui não é aguentar o outro, mas servir de amparo e suporte. Não por um dever amargo, mas com amor.

A unidade como base para o crescimento (Jo 17.20-23)

A unidade da Igreja faz o mundo entender que Jesus Cristo é Deus e Senhor de todas as coisas. Portanto, a obra de evangelização, que é a tarefa primária da Igreja, passa pelo trabalho de edificação da unidade.

Significa que todos aqueles que virão a crer na mensagem do Evangelho terão que passar inevitavelmente pela porta da santificação pela verdade (17.17 / normalmente é o foco principal – eu faço tudo certo), mas também pela porta da unidade (estar em harmonia com o Corpo de Cristo).

Uma igreja travada na unidade não cresce. Tende a atrofiar e morrer. E esta é a estratégia de satanás. Destruir a obra de salvação destruindo a unidade da Igreja. Pois nosso inimigo sabe que quando estamos unidos em amor, a Presença de Deus se manifesta entre nós e desta forma nada pode deter nossa marcha, pois se Deus é por nós quem será contra nós! Portanto, a comunidade que cresce é porque a força da unidade é maior que a força de desunião. Os dois vetores sempre existirão, mas a unidade deve prevalecer para que a Igreja permaneça viva, ativa e crescente. river-stones,-water-151860C)-Jesus planejou o aperfeiçoamento dos santos (I Sm 17.40)

Analisando além do contexto histórico desta passagem bíblica, encontramos Davi retirando 5 pedras lisas do ribeiro para fazer delas munição contra Golias. As melhores pedras para serem utilizadas em uma funda seriam as lisas, pois escorregariam perfeitamente dando precisão no arremesso. Onde estas pedras poderiam ser encontradas? Somente em um ribeiro. Lugar onde a força da água provocaria um atrito continuo entre elas tirando-lhes as arestas, a aspereza, e as transformando em belas pedras ovais e lisas.

Esta figura é perfeita para ilustrar o processo de amadurecimento dos relacionamentos entre cristãos e a edificação da Igreja. Deus planejou o amadurecimento dos cristãos por meio de seus conflitos, divergências e necessidades.

O objetivo é aperfeiçoar em nós a paciência, a bondade, o perdão, a misericórdia, a generosidade, o amor, entre outros sentimentos altruísticos. Este amadurecimento somente é alcançado por meio dos relacionamentos.

Assim como a unidade da Igreja é reflexo da triunidade de Deus, de igual modo o ser humano foi criado para viver em comunidade. E de um modo especial os cristãos, criados para viver no Reino de Deus. Em Gênesis, nos primeiros momentos da concepção criativa de Deus, Ele mesmo declarou que o homem não foi planejado para ser sozinho.

“Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e lhe corresponda”. Gênesis 2.18

Nós somos seres relacionais. Acerca do isolamento provérbios declara; “Quem se isola, busca interesses egoístas, e se rebela contra a sabedoria”. Provérbios 18.1

O ser humano é por natureza egoísta, voltado somente para suas necessidades, tendo a si como centro do universo. Isto é compreensível visto que é uma técnica de sobrevivência; uma maneira de nos preservarmos de desgastes emocionais, conflitos e decepções. A esta habilidade de auto-defesa nossa cultura denomina maturidade.

Contudo, a contra-cultura bíblica afirma que a verdadeira maturidade é tudo sofrer, tudo padecer e não deixar de crer que o amar o próximo é bom, mesmo quando há grandes chances de nos machucarmos.

Maturidade pela visão bíblica também é ser paciente e forte para esperar Deus transformar as feridas em cicatrizes fechadas, indolores, e não guardar amargura, mas perdoar.

O objetivo do perdão não é apagar os fatos da memória, mas ser curados na alma ao ponto de não reviver a dor do que passou. Estes sentimentos, esta maturidade, esta grandeza de alma, somente se alcança no contexto dos relacionamentos. O Senhor deseja formar em nós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus; não fazer a sua própria vontade, mas a de Deus e entregar-se por amor do próximo.

“Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito”. Colossenses 3.12-14

Somos aperfeiçoados quando nos revestimos de profunda compaixão; compreender o estado emocional de outrem e desejar profundamente lhe aliviar o sofrimento. Ser bom quando há motivos para não sermos, ser humildes (desprovidos de orgulho) reconhecendo que tudo o que somos e temos é por que Deus nos deu por sua Graça e não por mérito. Ser mansos quando somos tentados a agir com ira, rispidez. Ser pacientes quando as pessoas abusam de nossa boa vontade. Suportar quando somos ofendidos. Estar disposto a perdoar assim como fomos perdoados, pois somos miseráveis pecadores. Estar dispostos a nos revestirmos de amor, pois o amor não busca motivos para amar, apenas ama (não porque, mas apesar de). Este é o elo perfeito (o vínculo da perfeição). Nenhuma destas qualidades serão desenvolvidas se fugirmos dos relacionamentos e conflitos que naturalmente surgirão.

Não adianta sairmos de uma igreja para outra como meio para solucionar os problemas relacionais. Nós levaremos os mesmos problemas conosco, pois estão em nós mesmos e pior; levaremos muitas feridas.

A fuga é impulsionada pela dor, e isso é compreensível. Por trás de toda aparência de força, auto-suficiência e segurança existe uma alma frágil que criou toda espécie de escudos e cavernas para se refugiar do sofrimento. O Senhor entende. Mas esta estratégia que desenvolvemos não é a melhor para nós. Por isso Ele insiste tanto que nos libertemos deste medo.

Nós não precisamos ser transferidos de igreja, mas sim transformados na igreja que Jesus nos plantou. Somente assim seremos aperfeiçoados conforme a imagem de Jesus, de acordo com Seu plano perfeito. E se a dor de alma for o caminho, que doa se preciso for, para que eu seja cada vez mais parecido com meu Mestre! worshipCONCLUSÃO

O objetivo desta mensagem é apresentar duas importantes lições;

1-Pensar que podemos viver a vida cristã sem estar na igreja, ou apenas frequentá-la esporadicamente sem envolvimento, é um grande engano. Nós somente temos vida quando estamos bem ligados ao Corpo de Cristo.

2-Problemas de relacionamento não devem ser a causa para mudança de igreja local.

  • Podemos ser transferidos por mudança de endereço, diferente posição teológica ou outras necessidades e motivações que fujam do nosso controle. Porém, não é aconselhável deixar a igreja por causa de divergências nos relacionamentos.
  • É por meio dos conflitos e necessidades mútuas que amadurecemos o mais sublime aspecto do caráter de Cristo; o amor, a bondade, o perdão, a compaixão, a misericórdia, a generosidade.
  • Ao fugir dos conflitos os levaremos conosco além das muitas feridas.

Que o Senhor nos ajude para não cairmos nestes sofismas (pois é um mal que visita a todos) e ajudemos outros a se libertarem deste mal.

Pr.Luís Kendji G.Yasumura

Anúncios

Sobre renewedpresbyterian

renewed presbyterian church of japan in anjo city aichi province
Esse post foi publicado em Mensagens, Studies, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s